Responsive Ad Slot

Novo edifício do MAAT em Lisboa: arte, arquitetura e tecnologia no melhor!

Postado por Redação

5/10/2016 6:16


Crédito: Interior do novo edifício do MAAT | Foto: Lívio Cipriano (Lisboa/2016)

De Lisboa – Uma bela festa decorreu ontem (4), as margens do Rio Tejo, para a inauguração do novo edifício do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. O novo edifício abre ao público hoje, dia 5 de outubro, com uma programação de doze horas de espetáculos e atividades educativas.

Para além da badalação política e cultural que foi o evento de inauguração do novo edifício do MAAT, o espaço trás muita experimentação visual e sonora,  com uma nova proposta cultural para a cidade de Lisboa e uma das mais belas vistas sobre o Tejo, com a Ponte 25 de Abril e o Cristo emoldurados pela arquitetura do local.

Vista noturna a partir do edifício do MAAT | Foto: Lívio Cipriano (Lisboa/2016)

Vista noturna a partir do novo edifício do MAAT | Foto: Lívio Cipriano (Lisboa/2016)

“Um museu que cruza três áreas num espaço de debate, de descoberta, de pensamento crítico e de diálogo internacional. Um projeto inovador que coloca em comunicação um novo edifício, desenhado pelo atelier de arquitetura Amanda Levete Architects, e a Central Tejo, um dos exemplos nacionais de arquitetura industrial da primeira metade do século XX, e um dos polos museológicos mais visitados do país.”

O MAAT traduz a ambição da Fundação EDP em apresentar exposições nacionais e internacionais com o contributo de artistas, arquitetos e pensadores contemporâneos. Refletindo sobre grandes temas e tendências atuais, a programação apresentará ainda diversos olhares curatoriais sobre a Coleção de Arte da Fundação EDP.

Um espaço imperdível para os residentes e turistas.

O projeto

O MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia está concebido em uma área de 38 mil metros quadrados que a Fundação EDP ocupa na margem norte do rio Tejo, onde ergue-se um ícone histórico, o prédio da central elétrica do início do séc. XX. Soma-se ao conjunto o novo edifício, concebido pelo atelier londrino Amanda Levete Architects. A Central Tejo moderniza-se, mantém a vocação para a ciência e passa a ter quatro galerias. O novo edifício contempla também quatro espaços expositivos num total de cerca de 3 mil metros quadrados.